Círio de Nazaré – Pura emoção

Sem sombras de dúvidas é a maior e mais emocionante manifestação religiosa Católica do mundo

No mês de outubro a cidade de Belém do Pará vivencia intensamente o culto a mãe de Jesus. Isso é visível por toda a cidade. As famílias enfeitam suas portas, janelas, jardins com a imagem de Nossa Senhora. A imagem é vista por toda parte, nas lojas, farmácias, instituições bancárias e governamentais.
 
Quando fomos conhecer o maior Shopping Center de Belém ficamos impressionados, pois em todas as vitrines tinha a imagem da Nossa Senhora e no pátio de eventos a música ao vivo era somente música Mariana. Me encantou esse amor, devoção e orgulho do povo paraense em externar sua fé sem receios e sem pudores. 
 
Uma manhã dentro de um táxi falando com o taxista eu fiz a pergunta crucial: “E os evangélicos, como convivem com isso?”, ele me respondeu que ele era evangélico, mas que a Nossa Senhora de Nazaré é deles também e que ele juntamente com outros evangélicos ajudam até mesmo na distribuição de água para as pessoas durante a procissão. Que coisa linda isso, ainda existe um lugar no mundo que a “guerra santa” não chegou. 
 
A festa do Círio de Belém pode ser dividida assim: 
 
Traslado: Assim chamada, porque marca o percurso da imagem de Nossa Senhora de Nazaré, da Basílica de Nazaré, pelas ruas da cidade até a igreja matriz, no município de Ananindeua, município vizinho a Belém. Percurso este que é feito em carro aberto e onde Nossa Senhora recebe inúmeras homenagens. 
A imagem da Santa passa a noite neste município, onde o povo fica durante toda à noite em vigília. Essa Romaria acontece de sexta para sábado, que antecede o domingo do círio. 
 
Romaria Rodoviária: Depois de uma noite em Ananindeua e uma missa pela manhã, a imagem parte, de madrugada, em mais uma procissão, agora em uma nova direção, a Vila de Icoaraci, distrito de Belém. Mesmo sendo de madrugada, os fiéis aguardam a passagem da Santa, rendendo-lhe inúmeras homenagens. 
A procissão é acompanhada pelos carros da diretoria do círio, carros de polícia, bombeiros, ambulâncias, carros oficiais e civis. Daí a origem do nome da romaria. 
 
Romaria Fluvial: Nesta romaria, a imagem da Santa é levada de barco, pela Baia do Guajará, baia esta que cerca a cidade de Belém e é seguida por inúmeros outros, enfeitados de acordo com as condições do próprio dono.
Aqui se veem barcos, iates e simples canoas de ribeirinhos que seguem a procissão. 
O percurso Icoaraci-Belém pode levar até 5 horas. Ao chegar no cais do porto da cidade, é recebida por uma multidão e outras homenagens se seguem. A romaria foi introduzida em 1985, como uma forma de homenagear a todos os que vivem e dependem dos rios da região, como a população ribeirinha, que, devido às suas condições não pode se dirigir a Belém, e com isso, pode fazer suas homenagens. 
 
Moto-Romaria: Por volta das 11 horas da manhã de sábado a imagem da Santa chega ao cais de Belém. Dali a imagem segue em carro aberto, agora seguida por motoqueiros que buzinam incessantemente, anunciando a passagem da Santa. O povo para nas ruas seus afazeres, sai de suas casas, e saúda a Virgem, com as mãos levantadas, como a pedir a bênção. 
A Romaria se estende pelas ruas da cidade até o Colégio Gentil Bittencourt, onde uma outra multidão de fiéis espera a Imagem. E à noite, logo após a missa, ocorrerá o início da Trasladação. 
 
Trasladação: A trasladação da imagem ocorre uma noite antes do Círio, em uma procissão à luz de velas. Simbolicamente visa recordar a lenda do descobrimento da imagem e o retorno ao local de seu primeiro achado. 
Nesta cerimonia somente a Berlinda (carro onde é levada a imagem de Nossa Senhora) é utilizada, em um trajeto em sentido inverso ao do Círio.
 
Gostou? Semana que vem tem mais histórias sobre o Círio!
Entre em contato com Dheminho pelo e-mail: canavezifh@globo.com .