Ato terminou em passeata pelas ruas - Foto: Quiririm News

Organizada por sindicalistas, ocorreu na manhã dessa sexta-feira (10), no Distrito do Piracanguaguá, região de Quiririm-Taubaté, a mobilização pelo “Dia do Basta”. O ato interrompeu o primeiro turno de 25 indústrias, e de acordo com o Sindicato dos Metalúrgicos de Taubaté e região (Sindmetau), a paralisação atingiu 4.500 trabalhadores. O ato faz parte de uma ação nacional em defesa dos direitos trabalhistas.

Para o presidente do Sindicato, Cláudio Batista da Silva Junior, o Claudião, a paralisação atingiu 100% do Piracangaguá e marca uma nova etapa na unidade dos trabalhadores.

“Os patrões saibam que não vamos aceitar uma campanha salarial sem aumento”, afirmou.

Claudião destacou ainda a união dos sindicatos na organização do ato. A mobilização foi articulada pelo Sindmetau e outras categorias com base no Piracangaguá, como Químicos, Refeição Coletiva e Condutores.

Sindicalistas discursaram do alto do caminhão – Foto: Quiririm News

 

O Sindicato confirmou ainda a participação dos Sindicatos da Construção Civil, Papeleiros, Hoteleiros, Metalúrgicos de Pinda, FEM-CUT (Federação dos Sindicatos de Metalúrgicos da Central Única dos Trabalhadores) e subsede da CUT Vale do Paraíba.

O ato teve início por volta das 4h onde os trabalhadores que chegavam ao Distrito foram conduzidos para um ponto de concentração, próximo à fábrica da Codeme, onde o ato foi realizado.

“É um ato reivindicatório, é a primeira vez que o distrito do Piracanguaguá para em sua totalidade. Nós temos aqui mais de 10 sindicatos neste ato. Nós reivindicamos o fim da reforma previdenciária, revogação da reforma trabalhista, aumento real na campanha salarial e a não retirada de direitos das clausulas sociais das convenções”, conclui o presidente do Sindmetau, Claudião.

O ato teve ainda passeata pelas ruas que ligam as indústrias. Todo o manifesto foi acompanhado pela Polícia Militar.

Confira outras notícias:

Clique aqui e confira as últimas notícias do Portal Quiririm News

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *