Dona Nely e Seu José Indiani, 56 anos de muito amor, alegria e companheirismo
Para se construir uma verdadeira história de amor, é necessário que acima de tudo, acredite neste sentimento. Amar é cuidar um do outro, é saber tudo sobre ela, é aceitar as manias dele. É passar a vida inteira com alguém e ainda lembrar a data de quando se conheceram. É comemorar cada ano junto, é enfrentar barreiras. 
 
Em um ambiente gostoso, repleto de histórias e recordações por toda a volta, acompanhado de um delicioso cheirinho de doce de abóbora, que estava sendo preparado na grande cozinha, que mais parece uma sala de estar de tão aconchegante, o passado volta e passa como se fosse um filme, só que por meio de palavras. 
 
“Eu conheci ela, a primeira vez, foi no final de 1946, por aí, fiquei conhecendo ela, mas não namorei ela logo de começo não”. 
 
Quiririm é o grande cenário desta grande paixão, que se transformou em um verdadeiro amor. José Indiani, descendente de Italiano, Nely Alvarenga, brasileira, nunca saíram do Brasil, e muito menos de Quiririm. 
 
Sempre vizinhos, o amor não demorou muito a dar as caras. Ela, sempre foi apaixonada, ele, não demorou muito para se encantar, “Eu sempre passava em frente da casa dela, mas não conhecia ela, mais dizem que as mulheres que são mais adiantadas né, risos”. 
 
E no primeiro dia de maio de 1949, começa o namoro de Zé Indiani e Nely, “Um dia a gente, um grupinho de amigos, estava tudo reunido aqui na praça, lembro que tinha uma árvore enorme, as freiras seguravam as moças, quando deu três e meia da tarde elas saíram, ai criei coragem e fui falar com ela”. 
 
E como toda história de amor, não seria tudo tão simples. A família de Zé I era muito tradicional, e sua mãe queria que ele fosse para a Itália e se casasse por lá, não conseguia aceitar que seu único filho homem se casasse com uma brasileira, e nunca conseguiu aceitar. “Eu sofri muito, quando eu saia de casa para namorar ela, minha mãe já falava umas palavras italianas, que eu já ia atrás dela, no começo ela achava que era brincadeira, que não era sério”.
 
Foram sete anos de namoro antes de se casarem, na época em que serviu quartel, as cartas serviam de consolo para a saudade. Os passeios pela praça, no antigo pontilhão, hoje servem de saudosas memórias, “Os namorados passeavam aqui na praça, o namorado oferecia música para a namorada, no pontilhão, que passava a estrada de ferro, a gente ia namorar lá, quando dava enchente no rio, jogava aquela areia fora, ai na época da seca parecia uma praia, ficávamos duas, três horas lá conversando, era a coisa mais gostosa que tinha”. 
 
E no dia 20 de maio de 1956 Nely Alvarenga passa a ser Nely Alvarenga Indiani. O casamento foi realizado às 16:00h de um domingo, na Igreja Matriz Imaculada Conceição de Quiririm, com uma linda cerimônia, que não contou com a presença dos pais do noivo. “Eu não sei de onde arrumei coragem pra casar com ela, o momento mais marcante foi o namoro, quando começamos, mais o melhor foi o casamento né, quando conseguimos aquilo que queríamos. A gente esperava ainda que eles viessem, mas não vieram, se fosse esperar o pai com a mãe vir a gente não tinha casado”. 
 
E mesmo 56 anos depois, com 6 filhos, 5 netos, 3 bisnetos e meio (pois um ainda está a caminho), eles ainda comemoram todo ano a união dos dois, “Vou te contar, é difícil a trajetória, mas depois que você consegue, você fica, o coração não sabe nem onde tá né, todo ano a gente comemora namoro. Em dois anos conheci ela, 7 namorei, 56 de casado, soma tudo, é uma vida”. 
 
E entre lindas orquídeas e pássaros que são cultivados por Zé I, o que continua chamando mais atenção é o amor dos dois, “O amor é tudo, ela é tudo né, é o esteio da casa, o principal”, declama Zé I para Nely, que rebate sorrindo, “Ah, ele também é tudo! Uma coisa horrível deve ser casar com quem a gente não gosta né”. 
 
E sobre o Dia dos Namorados, Zé I é firme, “Tem que comemorar né, aqui não passa um mosquito sem comemorar, risos”. 
 
E esta é uma linda história de amor, que mostra que quando se ama e é verdadeiro, juntos podem enfrentar qualquer barreira. Os dois vivem bem e felizes, e adoram contar essa história, que para eles, é como se ainda fosse ontem.

Confira outras notícias:
Clique aqui e confira as últimas notícias do Portal Quiririm News

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.